André Carmo

Open Call

André Carmo. Nascido e criado numa aldeia da serra tem crescido com a idade e com o Mundo. Desde a ausência de internet até ao desenvolvimento de relógios inteligentes faz uma ponte regular entre a simplicidade e a sofistificação. Existêncialista por natureza, tem o memento mori sempre presente no seu dia a dia, o que lhe confere a liberdade para se debater sobre qualquer tipo de assunto sem tabus nem constrangimentos. Também escreve sobre si próprio na terceira pessoa, o que lhe permite descrever-se com palavras sofisticadas como: ileísta; ou simplesmente: idiota.

Bem numa rua centenária 
Havia um espaço privado
Nunca vi aberto, dizia na entrada:
Ervanária
E mesmo sem nunca lá ter entrado
Era lá que eu comprava
Os meus dotes de culinária

Dissertações da caneta

E se eu quiser escrever só para saber se a caneta escreve? 
Parece que sim, escreve.
Então e agora? Seria suposto parar de escrever?
Mas afinal, por alguma razão eu queria saber se a caneta escrevia. Nessa não pensei. Porque quereria, e quererei, eu saber se uma caneta escreve?
É porque quero escrever.
Mesmo sem razão, assunto ou motivo aparente, eu quero apenas escrever. Apetece-me, e gosto bastante, mesmo sem saber o quê.
Parece-me terapêutico deixar fluir desta forma meras situações, sensações e sentimentos. Banais ou pontuais, com ou sem qualquer tipo de relevo na vida de pessoas simplesmente normais.
No fim de tudo, acabei por perceber que só quis saber se a caneta escrevia porque eu sentia – e por isso me apetecia – que queria escrever.
Mesmo sem saber como começar, e muito menos como acabar, sem assunto que acabou a ser assunto, acabei de ficar mais leve umas quantas palavras. Talvez estas, mesmo sem sentido, evitem próximas desnecessárias.
Foi de qualquer forma uma excelente iniciativa, como é sempre. E a caneta escreve, e escreve bem.

Dissertações da caneta, parte II 

Escrevo pela simples vontade de pegar no objeto de plástico em forma pontiaguda e  desenhar caracteres - anómalos a quem não entenda português - que são capazes de  desenrolar o nó que existe - não existindo, obviamente – no interior de um ser de natureza  humana. 
Sem pausas. O meu ego grita desenfreadamente, só quer gritar e não existe razão aparente – pois nada do que é aparenta ser. É como se uma parede caísse a hora de conversa, hora essa que não existe, nem com os próprios botões da indumentaria.
Respira fundo. A raiva parece fluir ao mesmo ritmo da caneta.
Foda-se!
Ops! O tal objeto de forma pontiaguda que ainda há pouco escrevia sem dó nem piedade, agora até já se censura.
Será isto correto? Ou devemos ser nós o que somos natural e espontaneamente? Serão as correções corretas? Ou apenas desejos de aceitação? Serão as correções construtivas? Ou serão resultado da opressão social no ser individual?
Será tempo de ser eu? Como ser eu?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s