O tempo levou-me a Cabra

Conto os dias que nos trazem má sorte.
Sem menos manias, o teu corpo já só repousa no meu olhar,
sem demoras o sentimento,
que agarra à dor que outrora eu já fui.
O tempo que eu não dou, para deixar a mágoa fora dos jornais.
Tento perceber o porquê do vendaval que chora por mais um sinal.
Sem controlo na via, despeço-me da injúria cravada
cruamente pelo teu olhar.
Já nem a cabra se atreve a pedir mais horas pelo tempo que passou.
Diz-me o porquê de o tal vendaval nascer de uma balada sem paixão.
Eu tento perceber o porquê do vento que traz à porta o traje deixado no estendal.

                                João Coimbra

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s